Seguidores

domingo, 6 de novembro de 2011

Singelo Presente




Nessa data tão bela
Arcanjos fazem festa
Harpas, coros e serestas
Em homenagem à você

Chego bem de mansinho
Peço a eles baixinho
Flores e bençãos eternas
Pra Elsy meu amor

Numa pronta resposta
Me fita com ternura
Cobre-a com as flores mais puras
E luzes sem igual

Logo após nobre ato
De um ser tão sensato
Confiou-me pequeno frasco
Com a essência pura do amor

Explicou paciente
Esse raro presente
Não brotou de semente
E sim da vossa união

Um presente singelo
De origem divina
É o que tenho de belo
Pra te dar Minha Menina
Essa poesia é o meu singelo presente para Meu Grande Amor, "Elsy Myrian Pantoja", que está completando mais um aniversário. Eu Te Amo com todo o meu ser e eternamente te amarei!
Jonas Rogerio Sanches

Este Poema foi o presente mais significativo e amoroso que recebi no meu niver, te amo meu Menino Girassol !!!!!

"The show must go on", do Queen - Pelo que estamos vivendo?

- Esta música foi lançada apenas 6 semanas antes da morte de Freddie Mercury. É uma das músicas mais emotivas da banda;

- Sua letra é uma reflexão sobre a vida e sobre a iminência da morte;

- Em uma pesquisa realizada na Europa, ela foi escolhida como música favorita em funerais;

- Freddie Mercury estava muito doente na época da gravação, e pensava-se que por isso ele não conseguiria gravá-la. Mas antes das gravações ele tomou um pouco de vodka e disse: "I'll fucking do it darling!" (algo como "vamos fazer essa porra!") e gravou toda a música em apenas um take;

- A perfomance vocal de Freddie Mercury nesta música é considerada uma das melhores de toda a sua carreira.

Repare as reflexões que a canção apresenta sobre o sentido da vida na iminência da morte.

Texto: Glauber Ataide
www.perfeição.org



sexta-feira, 4 de novembro de 2011

MINHAS DIVAGAÇÕES..




A intenção era escrever para vocês uma linda mensagem de fim de semana, mas tudo o que eu consegui foram algumas divagações em torno de  algumas possibilidades...
Talvez eu não tenha nenhuma vocação para escritora. No entanto continuarei dando vazão ao meu impulso de escrever.
Quem sabe eu não terei a chance de escrever o livro que eu sempre  almejei. Mesmo assim continuarei registrando meus momentos de inspiração, aqui ou em qualquer outro lugar.
Pode ser ainda que eu venha a sofrer algumas desilusões na vida. Mas farei que com que elas se neutralizem diante dos gestos de amor de pessoas queridas que me cercam.
Há uma possibilidade de que eu não realize todos os meus sonhos. Isso não impedirá que eu sempre me considere uma vencedora.
Talvez eu esteja envelhecendo rápido demais. Assim mesmo continuarei lutando para que cada minuto tenha valido a pena.
Existe uma chance de, em algum momento futuro, eu vir a sofrer uma queda. Se isso acontecer, acionarei a grande mola que fica no fundo do meu poço.
Pode ser que em um determinado dia o sol deixe de brilhar.  Ai então me contentarei em me banhar na água da chuva.
É possível que algum dia destes eu seja enganada por alguém. Mas nem por isso  deixarei de acreditar no ser humano, pois, sempre haverá quem mereça a minha confiança.
Posso também sofrer alguma injustiça. Mas me lembrarei que tudo o que me acontecer, é apenas o resultado de minhas  ações.
Talvez no decorrer do tempo eu perca algumas amizades. Caso isso aconteça, entenderei que, o que se perde não era realmente para ficar.
É possível que eu não aprenda todas as lições necessárias. Mas serei tolerante para comigo mesma e respeitarei os meus limites.
Pode ser também que um dia eu queira jogar tudo pro alto.  Se isso ocorrer, espero sempre me lembrar de que "sem sacrifícios não existe recompensa".
Há  inclusive uma possibilidade de eu  não conseguir ser o que eu gostaria de me tornar. No entanto, passarei a admirar aquilo que me foi possível ser...

Talvez tudo isto que escrevi não tenha nenhum sentido para quem estiver lendo. No entanto, eu sinto que lavei minha alma, pois, se não era isto que eu queria escrever, era exatamente isto que tinha que ser escrito!

Beijos furtacor e com
sabor do meu bem querer!

Marineide Dan 
http://marciagrega.blogspot.com

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

EU FICO COM O TALENTO





Que eu gosto de reggae isso não é nenhuma novidade, montei um blog o Filha de Jah basicamente sobre esse ritmo e os africanos também. Não obstante dá uma recaída e lá vou eu parar no Jazz e Blues. É cíclico algo em mim dispara um gatilho e baixo a guarda e fico dias e horas a fio ouvindo Blues, amo aquelas vozes que nos lembram Nova Orleans, mas há uma afinidade entre os dois ritmos ambos foram gerados na alma dos negros em forma de lamentos pela condição indizível em que viviam e ainda vivem apesar do grande avanço contra qualquer tipo de preconceito. No momento estou mergulhada na voz incomparável de Janis Joplin minha queridinha (Já vi o filme The Rose baseado na sua história mil vezes) Nina Simone, Perci Slegde , Bette Midler, Billy Holiday entre outros fazem parte do meu universo Blues Jazz . Quando estou nessa fase seguramente estou em paz por incrível que pareça já que o blues é um lamento. Quando mergulho no reggae com certeza estou em conflito e procuro respostas e traduzindo as letras de Marley  encontro algumas . Mas no fundo no fundo sou eclética gosto mesmo é de uma boa música (tiro aí o funk e o pagode não consigo ouvir, mas respeito quem gosta). Se eu tivesse que escolher dois ícones referenciais nas minhas reflexões sem dúvida seria Bob Marley e Janis Joplin. E aí talvez alguém me questione a vida pessoal dos dois e eu respondo separar o talento da vida pessoal do artista é uma arte, fico com o talento deles como também Renato Russo, Cazuza, Elvis, Fred Mercury, Amy Winehouse e Michael Jackson. Vieram ficaram só um pouquinho, mas deixaram um legado artístico que passará de geração a geração. Ainda há a altivez de Elis Regina e Cassia Eller, o que fizeram de suas vidas pessoais só a Deus cabe julgar, quanto a mim admiro o talento e a enormidade da influencia de suas obras em nossas vidas pelo menos da minha.
Elsy Myrian Pantoja
Imagens Google

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

O NASCER PARA O ALÉM...



Há quem morra todos os dias.
Morre no orgulho, na ignorância, na fraqueza.
Morre um dia, mas nasce outro.
Morre a semente, mas nasce a flor.
Morre o homem para o mundo, mas nasce para Deus.
Assim, em toda morte, deve haver uma nova vida.
Esta é a esperança do ser humano que crê em Deus.
Triste é ver gente morrendo por antecipação...
De desgosto, de tristeza, de solidão.
Pessoas fumando, bebendo, acabando com a vida.
Essa gente empurrando a vida.
Gritando, perdendo-se.
Gente que vai morrendo um pouco, a cada dia que passa.
E a lembrança de nossos mortos, despertando, em nós, o desejo de abraçá-los outra vez.
Essa vontade de rasgar o infinito para descobri-los.
De retroceder no tempo e segurar a vida.
Ausência: - porque não há formas para se tocar.
Presença: - porque se pode sentir.
Essa lágrima cristalizada, distante e intocável.
Essa saudade machucando o coração.
Esse infinito rolando sobre a nossa pequenez.
Esse céu azul e misterioso.

Ah! Aqueles que já partiram!
Aqueles que viveram entre nós.
Que encheram de sorrisos e de paz a nossa vida.
Foram para o além deixando este vazio inconsolável.
Que a gente, às vezes, disfarça para esquecer.
Deles guardamos até os mais simples gestos.
Sentimos, quando mergulhados em oração, o ruído de seus passos e o som de suas vozes.
A lembrança dos dias alegres.
Daquela mão nos amparando.
Daquela lágrima que vimos correr.
Da vontade de ficar quando era hora de partir.
Essa vontade de rever aquele rosto.
Esse arrependimento de não ter dado maiores alegrias.
Essa prece que diz tudo.
Esse soluço que morre na garganta...
E...
Há tanta gente morrendo a cada dia, sem partir.
Esta saudade do tamanho do infinito caindo sobre nós.
Esta lembrança dos que já foram para a eternidade.
Meu Deus!
Que ausência tão cheia de presença!
Que morte tão cheia de esperança e de vida!


Texto: Padre Juca
Adaptação: Sandra Zilio

Coletânea de poemas de vários autores - Trabalho Primoroso da Poetisa Luna de Primo