Seguidores

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Como abordar a Mãe que perdeu seu Filho



Quando estiver tentando ajudar uma mulher que perdeu um filho, não ofereça sua opinião pessoal sobre sua vida, suas escolhas, seus projetos para seus filhos. Ou como ela deveria se comportar. Não diga: É a vontade de Deus. Por favor, não deduza o que Deus quer para mim. A vontade de Deus é que ninguém sofra. Ele apenas permite apesar de saber que muitas coisas terríveis que acontecem são permitidos por Deus, isto não faz estes acontecimentos menos terríveis. Não diga: Foi melhor assim do que de outra forma.. Por favor, não tente me confortar destacando isto. Não diga: Você tem outros filhos.Se tivesse a escolha entre perder este filho ou furar meu olho com um garfo, eu teria dito: Onde está o garfo? Eu morreria por este filho, assim como você morreria por seu filho. Uma mãe pode ter dez filhos, mas sempre sentirá falta daquele que se foi, Não diga: Agradeça a Deus pelo(s) filho(s) que você tem. Se a sua mãe morresse num terrível acidente e você estivesse triste, sua tristeza seria menor porque você tem seu pai? Não diga: Já não é hora de deixar isto para trás e seguir em frente? Esta situação não é algo que me agrada. Eu queria que nunca tivesse acontecido. Mas aconteceu e faz parte de mim para sempre. A tristeza tem seu tempo e não é o meu ou o seu. Não diga: Eu entendo como você se sente. A menos que você tenha perdido um filho, você realmente não sabe como eu me sinto. E mesmo se você tivesse perdido, cada um vivencia esta tristeza de modo diferente. Não me conte histórias terríveis sobre sua vizinha, prima ou mãe que teve um caso parecido ou pior. A última coisa que eu preciso ouvir agora é,  isto pode acontecer seis vezes pior ou coisas assim. Estas Histórias me assustam e geram noites de insônia assim também como tiram minhas esperanças. Mesmo as com finais felizes, não compartilhe comigo. Não finja que nada aconteceu e não mude de assunto quando eu falar sobre o ocorrido. Se eu disser antes do meu filho morrer...Ou quando ele estava vivo...não se assuste. Se eu estiver falando sobre o assunto, isto significa que eu quero falar. Deixe-me falar. Fingir que nada aconteceu só vai me fazer sentir incrivelmente sozinha. Não diga,  não é sua culpa,talvez não tenha sido minha culpa, mas era minha responsabilidade e eu sinto que falhei. O fato de não ter tido êxito, só me faz sentir pior. Diga: Eu sinto muito, é o suficiente. Você não precisa falar nada as palavras dizem por si. Diga: Ofereço-lhe meu ombro e meus ouvidos. Diga: Eu fiz uma oração por você. Mande flores ou uma pequena mensagem. Cada uma que recebi, me fez sentir amada. Não envie novamente se eu não responder. Não ligue mais de uma vez e não fique brava se eu não atender sua chamada. Se nós somos amigos íntimos e eu não estiver respondendo suas ligações, por favor, me visite. Não espere tão cedo que eu apareça em festas ou vibre de alegria no natal ou ano novo, reconheça que eu sofri uma morte em minha família não é simplesmente uma licença médica. Reconheça que, além dos efeitos colaterais físicos, eu vou estar triste e angustiada por algum tempo.Por favor, me trate como você trataria uma pessoa que vivenciou a morte trágica de alguém que amava.Eu preciso de tempo e espaço. Eu talvez diga olá, mas talvez eu não consiga reprimir as lágrimas.Talvez as semanas ou meses vão passar antes que eu fique pelo menos uma hora sem pensar nisso. Você saberá quando eu estiver pronta. Acima de tudo, por favor, lembre-se  isto é a pior coisa que já me aconteceu. A palavra morte é pequena e fácil de dizer. Mas é a morte do meu filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Coletânea de poemas de vários autores - Trabalho Primoroso da Poetisa Luna de Primo