Seguidores

domingo, 19 de setembro de 2010

FACTOS E FACTÓIDES

 
Poucos terrenos se revelam tão férteis como o período agitado e turbulento das campanhas eleitorais. Além de obras feitas às carreiras, de promessas grandiosas irresponsáveis, de visitas inesperadas e de sorrisos com tapinha nas costas, fatos e factóides se mesclam e se confundem. Com frequência um fato relevante, como, por exemplo, a quebra de sigilo fiscal de políticos e familiares da oposição, por parte de funcionários da Receita Federal, ou o tráfico de influência no Ministério da Casa Civil, passa a ser visto como um mero factóide. Ou inversamente, um factóide insignificante, talvez a inauguração de uma estação de metrô, publicado espalhafatosamente por algum periódico mais sensacionalista, não só ganha a robustez de um fato como pode servir para eclipsar fatos escusos e obscuros.
 
No primeiro caso, procura-se minimizar o poder do Estado, ou o peso da máquina do governo, sobre o resultado das eleições. Apresenta-se como normal e corriqueiro aquilo que é pura intervenção e manipulação das forças governistas sobre os dados e as informações de seus opositores. Naturaliza-se com facilidade atos truculentos perpetrados contra os adversários ou contra a liberdade de imprensa, fazendo com que uma mentira, quando insistentemente repetida, acabe se tornando verdade. Para isso servem as tropas de choque e a propaganda enganosa que, agressivamente, compõem o cardápio de quase todos os candidatos. Vale manipular números, selecionar dados, ocultar fracassos ou exibir na vitrine os sucessos. Daí ao princípio de que os fins justificam os meios, o caminho é muito curto. É o que se chama impor o próprio jogo, onde “o ataque é a melhor defesa”.

 
O segundo caso é próprio de quem joga na defesa. Aqui é comum ver fantasmas por todos os lados. O medo e a impotência os nutrem porque necessita deles. Instala-se uma espécie de complexo de perseguição. Qualquer palavra ou gesto mais duro e agressivo vira “uma tempestade em copo de água”. Volta-se à política primitiva do campo oposto entre bons e maus, onde a metáfora mais adequada segue sendo a de “mocinhos” e “bandidos” do faroeste norte-americano. A dicotomia taxativa, o dualismo ideológico e a mútua belicosidade criam e cultuam heróis de um lado e vilões do outro. No tiroteio das palavras e na força sedutora do marketing, ninguém parece dar-se conta de que, no fundo, carregamos todos no sangue e na alma as duas tendências do amor e do ódio, da morte e da vida – como bem assinalou Freud há mais de um século.

Converter fatos reais e substantivos em factóides é próprio das classes dominantes ou das oligarquias, tão senhoras de si na trajetória política brasileira. Denúncias sérias, às vezes recheadas de provas contundentes, podem ser banalizadas como práticas “que todo mundo faz”. A isso se presta, não raro, os setores da imprensa mais retrógrados e avessos a mudanças, enquanto outros meios de comunicação tratam de investigar e divulgar. Nessa banalização dos fatos, para encobrir sua gravidade, alguns promotores públicos mais arrojados terminam execrados e linchados diante das câmaras e dos holofotes. Umas e outros tanto podem iluminar os bastidores da corrupção como ofuscá-los por meio da espetacularização de fatos menores. Afinal de contas, a neutralidade da mídia e da informação não passa de um mito.

Já os setores subordinados tendem mais a fazer o contrário, isto é, transformar factóides em fatos e ameaças. Pousando de vítimas, enxergam risco de conspiração por todos os lados. Mantêm sentinelas nos postos de vigia para converter sombras irreais em inimigos reais. Mobilizam todo o exército, e ainda as mesmas câmaras e holofotes, procurando inflar um perigo mais subjetivo que objetivo. Criam um balão de vento que não resiste à menor investigação ou a uma análise mais acurada. Aliás, a espetacularização midiática é mestra em borrar as fronteiras entre acontecimentos centrais e ocorrências secundárias, entre o que é essencial e o que não passa de verniz efêmero. Nesse campo nublado e escorregadio da disputa política, com frequência utiliza-se um canhão para matar um mosquito.

Mas convém não esquecer que, tanto os do andar de cima quanto os do andar de baixo, de acordo com os interesses mais imediatos, podem manipular fatos e factóides a seu bel prazer. É a arte de supervalorizar ou menosprezar acontecimentos comuns na arena da política diária. As pesquisas eleitorais, com seus números, gráficos e tabelas, costumam antecipar os vencedores e os derrotados, o que contribui mais ainda para um clima quente, febril e excitante. Nesse cenário cheio de tensões e conflitos, uns e outros não terão escrúpulos em engrandecer ou diminuir o potencial eleitoreiro de um fato, seja ele maior ou menor, de caráter conjuntural ou estrutural. O importante é extrair todos dividendos políticos do assunto em questão. No dizer do povo, política com “P” maiúsculo se converte em política com “p” minúsculo ou em politicagem.

Em tais embates, as campanhas costumam contrapor governo a governo, FHC versus Lula e este versus Serra, como se estivéssemos diante de mudanças substanciais. Pelo contrário, o que se constata nas últimas décadas é a continuidade da política econômica, com ênfase diferenciada neste ou naquele particular. Muda o recheio, o colorido, o sabor e o formato, mas a massa do bolo permanece a mesma. Aliás, o jogo entre fatos e factóides serve, em não poucas ocasiões, para iludir os eleitores. Muda-se apenas a aparência, mas com tal eloqüência e publicidade ou com tal riqueza de detalhes, que os olhos do cidadão se enchem de fumaça enganosa. Promove-se um espetáculo, um show pirotécnico para implantar determinado programa que, no fundo, mantém intato o destino histórico e estrutural do país. Após a estrondosa profusão de luzes e cores, desenhos e malabarismos, sobram as cinzas frias e apagadas. Com reza o ditado, “a montanha pariu um rato”.

Uma fachada aparente, revestida de paletó-e-gravata, maquiada de cosméticos, ornada de solenidade e sacralizada pela “liturgia do poder”, confere seriedade a esse jogo de troca de poder. Terminado o jogo, os discursos envenenados se convertem em namoros mútuos e em alianças pela governabilidade, onde, joio e trigo voltam a confundir-se, para o interesse geral da nação. E, é claro, para uma generosa distribuição de cargos aos fiéis companheiros.

 

Pe. Alfredo J. Gonçalves, CS
 
Esse Post Pertence a minha amiga Odete Dan do Blog : http://eticaecidadania-odetedan.blogspot.com/
 
 
 
 
 

Um comentário:

  1. Elsy maravilhoso o texto que postou, está de parabéns. Em especial gostei da frase: "a montanha pariu o rato" , realmente ,é isso mesmo.
    bjs Lais

    ResponderExcluir

Coletânea de poemas de vários autores - Trabalho Primoroso da Poetisa Luna de Primo