Seguidores

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

A morte da alma



Nossa alma também morre, quando descobrimos que nada mais faz sentido e os olhos se fecham para vida, momentos mágicos vividos com tal intensidade passam a fazer parte de um passado e a alma segue em frente sem a alegria de viver, condenada a cegueira perpetua dos sentidos.
A apatia total vem chegando sutilmente até nos imobilizar totalmente, mutilada dos prazeres, o universo a nossa volta desaba e ficamos presos dentro de nossas angustias e traumas.
A alma antes de morrer ainda faz algumas devastações, carrascos de nós mesmo, juiz que julga e condena sem piedade. Presos nessa angustia e dor, nada nem ninguém consegue nos libertar.  Silencio não há som e as palavras são escritas com as lágrimas que jamais serão vistas.
É assim que vemos morrer a nossa alma!
Nada é belo e tudo é distante, pior do que a alma morta é a vida entorpecida, negar todos os sentimentos e emoções, porque chegamos ao limite a luta foi perdida e nos cansamos até de nós mesmos.

Elsy Myrian Pantoja
Imagem Google

Um comentário:

Coletânea de poemas de vários autores - Trabalho Primoroso da Poetisa Luna de Primo